Convidados brasileiros

 

andrea

ANDRÉA CATROPA (SP)

Andréa Catrópa nasceu em São Paulo, em 1974. Faz doutorado em Teoria Literária e coordenou a série de programas de rádio Ondas Literárias. Integra as coletâneas de poesia Antologia da Poesia Brasileira do Início do Terceiro Milênio (6 dias, 6 noites: 2008), 8 femmes (2007), Vacamarela – 17 poetas brasileiros do XXI (2007) e publicou mergulho às avessas (Lumme:2008).

antonio

ANTONIO VICENTE SERAPHIM PIETROFORTE (SP)

Nasceu em 1964, na cidade de São Paulo. É professor de Semiótica e Lingüística Geral da Universidade de São Paulo, onde realizou o Mestrado e Doutorado em Semiótica e Lingüística Geral.

Publicou o livro Semiótica visual: os percursos do olhar (Editora Contexto, 2004), participou dos dois volumes de Introdução à Lingüística, organizados por José Luiz Fiorin e contribuiu na edição organizada por Ivã Lopes e Nilton Hernandes, Semiótica: objetos e práticas (Editora Contexto). Em 2007, publicou Análise do Texto Visual – A Construção da Imagem (Editora Contexto), o romance Amsterdã SM e o livro de poesia O Retrato do Artista Enquanto Foge, ambos pela DIX Editorial.

Em 2008, publicou Tópicos de Semiótica (Editora Annablume), o livro de contos Papéis convulsos (DIX Editorial) e organizou, junto com o poeta Glauco Mattoso, a antologia M(ai)S – Antologia SadoMasoquista da Literatura Brasileira, editada pela Demônio Negro.

Foi curador do Simpoesia I em 2008, junto com a poeta Virna Teixeira.

fotoaugusto2

CARLOS AUGUSTO LIMA (CE)

Nasceu em Fortaleza, em 1973. Publicou OBJETOS (2002), pela Alpharrábio Edições (Santo André/SP), vinte e sete de janeiro (Lumme Editor, São Paulo, 2008) e Manual de Acrobacias (Editora da Casa -Florianópolis/Editora da Vila-Fortaleza, 2009). É ex-coordenador do núcleo de literatura do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (Fortaleza-Ce). Ainda tenta viver no mesmo lugar.

contadorborges

CONTADOR BORGES (SP)

Contador Borges nasceu em São Paulo, em 1954. Publicou os livros de poesia Angelolatria em 1997, O Reino da Pele em 2003, e A Morte dos Olhos EM 2007, todos editados pela Iluminuras. Em 2007 escreveu sua primeira peça de teatro, Wittgenstein!.

Traduziu Ciranda dos Libertinos (Max Limonad, 1988), e os livros A Filosofia na Alcova (Iluminuras, 1999) e Diálogos entre um padre e um moribundo (Iluminuras, 2001), da coleção Pérolas Furiosas. Além de O nu perdido e outros poemas (Iluminuras, 1995), de René Char e Aurélia, de Gerard de Nerval (Iluminuras, 1991)

 donny

DONNY CORREIA (SP)

Poeta e tradutor, nasceu em São Paulo, em 1980. Morou em Londres entre 2000 e 2003, onde editou uma coluna de entrevistas no jornal Brazilian News. Publicou o livro de poemas O eco do espelho (2005). Atualmente, é coordenador cultural da Casa Guilherme de Almeida,. Colaborou com textos para a revista Discutindo Literatura (Escala Educacional) e publica seus poemas e traduções nos sites Revista zunai (www.revistazunai.com.br) , Cronópios (www.cronopios.com.br) e Germina Literatura (www.germinaliteratura.com.br). Tem traduzido poemas do galês Peter Finch e pesquisado a literatura inglesa medieval e prepara-se para lançar seu segundo livro Balémanco (Demônio Negro). É graduando em Letras – Tradução pelo Centro Universitário Ibero-americano (Unibero).

edsoncruz

EDSON CRUZ (BA/SP)

Nasceu em Ilhéus, BA, 1959. Escritor, editor, revisor, preparador de textos. Estudou Psicologia, Música e Composição. Atualmente, faz a graduação em Letras na Universidade de São Paulo-USP. Editor-fundador do site de literatura Cronópios e da revista literária Mnemozine. Revisor de algumas editoras e agências de publicidade. Já preparou e revisou, entre outros, obras de Márcia Denser, Carlos Nejar e Virginia Woolf. Foi palestrante em eventos literários no Uruguai e na Argentina, sempre falando sobre poesia, literatura na internet e literatura e novas mídias. Ministrou Oficinas de instrumento, canto e Haikais pela Secretaria de Cultura de SP e de Criação Poética a convite da Câmara do Livro de Porto Alegre. Foi Curador do evento Cartografia Web Literária, em parceria com o SESC-Consolação, edição de 2008. Lançou em 2007, Sortilégio (poesia), pelo selo Demônio Negro. Prepara seu segundo livro de poesias e uma adaptação do épico indiano Mahâbhârata. Escreve com freqüência no blog Sambaquis.

flaviarocha

FLÁVIA ROCHA (SP)

Nasceu em São Paulo em 1974. Jornalista, formada pela Fundação Cásper Líbero, trabalhou nas redações das revistas Bravo!, República e Carta Capital, e atualmente colabora com diversas publicações. É autora do livro de poemas bilíngue “A Casa Azul ao Meio-dia/ The Blue House Around Noon” (Travessa dos Editores, 2005). Tem mestrado (M.F.A.) em Criação Literária/Poesia pela Columbia University e é uma das editoras da revista literária americana Rattapallax. Editou antologias de poesia brasileira para as revistas Rattapallax (EUA), Poetry Wales (País de Gales) e Papertiger (Austrália), entre outras. Fundou, com seu marido, Steven Richter, a Academia Internacional de Cinema (www.aicinema.com.br), onde desenvolveu e coordena um curso de Criação Literária. Acaba de finalizar seu segundo livro de poemas, “Quartos Habitáveis”, pelo qual recebeu uma bolsa da Biblioteca Nacional — o livro deve ser lançado nos próximos meses.

 

FredCasa

FREDERICO BARBOSA (SP)

Poeta e professor de literatura, é diretor executivo da Poiesis – 
Organização Social de Cultura, que administra a Casa das Rosas, o Museu da Língua Portuguesa, a Casa Guilherme de Almeida e os projetos São Paulo, um Estado e Leitores e PraLer – Prazeres da Leitura, em São Paulo. Formado em Letras pela USP, publicou os livros de poesia Rarefato (Iluminuras, 1990), Nada Feito Nada (Perspectiva, 1993), que ganhou o Prêmio Jabuti, Contracorrente (Iluminuras, 2000), Louco no Oco sem Beiras (Ateliê, 2001), Cantar de Amor entre os Escombros (Landy, 2002), Brasibraseiro (Landy, 2004), em parceria com Antonio Risério, pelo qual recebeu seu segundo Prêmio Jabuti, e A Consciência do Zero (Lamparina, 2004). Pela Landy Editora, publicou a coletânea Cinco Séculos de Poesia (2000), a seleção de sermões de Antônio Vieira, O Sermão do Bom Ladrão e outros sermões (2000), a edição comentada dos episódios camonianos Inês de Castro e O Velho do Restelo (2001) e a antologia Na Virada do Século, Poesia de Invenção no Brasil (2002). Organizou também diversas coleções de livros destinadas a popularizar a leitura dos clássicos da literatura luso-brasileira, vendidas nas bancas de jornal, vinculadas aos jornais O Estado de São Paulo (SP), O Globo (RJ) e Zero Hora (RS). A maior parte de sua produção poética está no site http://www.fredericobarbosa.com.br

 glauco

GLAUCO MATTOSO (SP)

Glauco Mattoso (paulistano de 1951) é um dos mais radicais
representantes da ficção erótica e da poesia fescenina em língua
portuguesa, descendente direto de Gregório, Bocage e, em prosa, de Sade
e Masoch. Na década de 1980, celebrizou-se entre a “marginália”
literária como autor do fanzine anarco-poético “Jornal Dobrabil” e do
romance fetichista “Manual do podólatra amador” (reeditados, vinte anos
depois, respectivamente pela Iluminuras e pela Casa do Psicólogo); após
perder a visão, já na década de 1990, publicou mais de vinte volumes de
poesia (entre os quais a antologia “Poesia digesta: 1974-2004”, pela
Landy), além do romance paródico “A planta da donzela” (editado pela
Lamparina), que revisita “A pata da gazela” de Alencar. Adepto fervoroso
da glosa decimal e do soneto clássico, destaca-se também como
lexicógrafo no bilíngüe “Dicionarinho do palavrão” (pela Record) e como
esticólogo numa “Teoria do soneto” e num tratado de versificação, “O
sexo do verso: machismo e feminismo na regra da poesia”, a sair em
livro. Colaborador nas mídias impressa e virtual, assina colunas na
revista “Caros Amigos” e no portal “Cronópios”, entre outros veículos.
Como letrista, tem sido musicado por nomes singulares do porte de
Arnaldo Antunes, Itamar Assumpção, Falcão, Ayrton Mugnaini e outros
experimentalistas independentes ou irreverentes.
   Greta

GRETA BENITEZ (PR)

Greta Benitez nasceu em Curitiba. É formada em Publicidade e pós-graduada em Marketing. Em 1999 lança o livro Rosas Embutidas (edição do autor) e Café Expresso Blackbird (Editora Landy, 2006) dentro da Coleção Alguidar, organizada pelo poeta Frederico Barbosa, além de possuir textos publicados em diversas revistas, como ET CETERA e Oroboro.

HORACIOCOSTA

HORÁCIO COSTA (SP)

Poeta, crítico, tradutor, professor universitário. Diplomado em Arquitetura e Urbanismo pela USP, 1978; Master of Arts (M.A.), New York University, 1983; Doctor of Philosophy (PhD), Yale University, 1994, com a tese “José Saramago: o período formativo”. Foi professor titular da Universidade Nacional Autônoma do México-UNAM; 1993-2001; atualmente é professor-doutor na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP.  Publicou os seguintes livros de poesia no Brasil: 28 Poemas 6 Contos, 1981; Satori, 1989; O Livro dos Fracta, 1990; The Very Short Stories, 1991; O Menino e o Travesseiro, 1994, com reedição em 2003; Quadragésimo, 1999. O quatro últimos títulos foram publicados no México em espanhol. Publicou também: Fracta-Antologia poética, (Perspectiva, 2004) – que será publicada pelo Fondo de Cultura Econômica do México, este ano; a plaquete 28 poemas 6 contos (Espectro Editorial, 2006); Paulistanas & Homoeróticas (Lumme, 2007); Ravenalas (Demônio Negro, 2008). Organizou três encontros internacionais sobre poesia contemporânea: “A Palavra Poética na América Latina – Avaliação de uma Geração” (São Paulo, Memorial da América Latina, 1990), ganhou o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte em 1990.  Organizou, ainda, “O Veículo da Poesia – reunião de periódicos literários na Biblioteca Mário de Andrade” (São Paulo, 1998). “Poesia em português e nas línguas da Espanha: um dialogo histórico, uma futura aliança?” foi realizado com o apoio da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, do Instituto Cervantes e do Centro Cultural da Espanha no Brasil em 2007.

Traduziu ao português os seguintes poetas, entre outros: Octavio Paz (Piedra de Sol/ Pedra de Sol, edição bilingue, Río de Janeiro, 1988, e ¿Aguila o sol?/Águia ou sol?, ed. bilíngüe revisada e autorizada pelo autor, México, 2001); Elizabeth Bishop (Antologia Poética, São Paulo, 1990), César Vallejo (Poemas Humanos, Río de Janeiro e Lisboa, 1992); Xavier Villaurrutia (Nostalgia de la Muerte, Lisboa, 1994) y José Gorostiza (EDUSP, 2003). Publicou também livros de crítica literária e sua obra poética foi traduzida ao espanhol, inglês, francês, romeno e macedônio.

Em 2008, como presidente da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura – ABEH, organizou o IV congresso da mesma, na FFLCH e no MAC-USP, precedido do Encontro Hispano-Brasileiro de Militantes Homossexuais.  Atualmente, é coordenador do Programa de Estudos da Diversidade (Homo)Sexual da Universidade de São Paulo – PEDHS-USP.

 

fotoguedes

LUIZ ROBERTO GUEDES

Luiz Roberto Guedes é poeta, escritor e tradutor. Publicou Calendário Lunático (2000), a novela histórica O mamaluco voador (2006), Minima Immoralia/Dirty Limerix (2007), e organizou a antologia poética paulistana Paixão por São Paulo (2004), com 71 poetas. Participa de diversas antologias de poesia e contos. Autor de vários livros para o público infanto-juvenil, publicou recentemente a novela Meu Mestre de História Sobrenatural (Nankin), obra selecionada pelo ProAC – Programa de Ação de Cultural da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Lança em junho a antologia de contos O Livro Vermelho dos Vampiros, organizada por ele, com 13 autores da moderna literatura brasileira e ilustrações de Manu Maltez.

mtápia

MARCELO TÁPIA (SP)

Marcelo Tápia (Tietê, SP, 1954) é poeta, tradutor, ensaísta e cantor. Publicou, entre outros, os livros Primitipo (1982), O bagatelista (1985), Rótulo (1990), Livro aberto (1992), Pedra volátil (1996), James Joyce – Poemas (1985/1992) e A forja – alguma poesia irlandesa contemporânea (2003). Tem publicado poemas e artigos em diversos periódicos, como Cadernos de literatura em tradução (USP), Olhar (UFSCar), Poesia sempre (Biblioteca Nacional), Etcetera, Coyote, Errática, Zunái e Mnemozine (da qual é um dos editores). Graduado em português e grego pela USP, realizou estudos complementares em semiótica, lingüística, teoria da tradução e teoria literária; possui também formação em psicologia. Atua como professor nas áreas de literatura (especialmente linguagem poética) e teoria da tradução, tendo ministrado cursos na Casa das Rosas durante mais de três anos. É organizador do Bloomsday em São Paulo, evento anual dedicado à obra de James Joyce. Dirige a editora Olavobrás, criada em 1987. Integra o grupo de música irlandesa tradicional Irish Dreams. Tem apresentado, como intérprete, um repertório de música e poesia grega arcaicas em ocasiões como o Simpósio de Estudos Clássicos da USP. Foram publicados recentemente dois trabalhos seus: o romance Os passos perdidos, de Alejo Carpentier, que traduziu para a editora Martins/Martins Fontes, e a antologia de haikais de Pedro Xisto, Lumes, que organizou para a Berlendis & Vertecchia.

É, atualmente, diretor do museu biográfico e literário Casa Guilherme de Almeida, em São Paulo, gerido pela Poiesis – Organização Social de Cultura.

marco

MARCO VASQUES (SC)

Marco Vasques é poeta e crítico de poesia. Bacharel e Licenciado em filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Autor de Elegias Urbanas (Poemas, 2005, Bem-te-vi, RJ), Harmonias do Inferno (contos, 2005, edição do autor) e Diálogos com a literatura brasileira – volumes I e II (entrevistas, 2004/2007, UFSC/Movimento, SC/RS) entre outros. 

MARIAESTHER

MARIA ESTHER MACIEL (MG)

Nasceu em Patos de Minas (MG), em 1963. Vive em Belo Horizonte desde 1981. É professora de Teoria da Literatura da Faculdade de Letras da UFMG, com Doutorado em Literatura Comparada pela mesma instituição e Pós-doutorado sobre cinema na Universidade de Londres. É autora dos livros: Dos Haveres do Corpo (poesia, 1985), As vertigens da lucidez: poesia e crítica em Octavio Paz (ensaio, 1995); A dupla chama: amor e erotismo em Octavio Paz (ensaio, 1998); Triz (poesia, 1999); Vôo Transverso: poesia, modernidade e fim do século XX (ensaios, 1999); A palavra inquieta: homenagem a Octavio Paz (org., ensaios, 1999); O cinema enciclopédico de Peter Greenaway (org., 2004), ), A memória das coisas (ensaios, 2004, finalista do Prêmio Jabuti), O livro de Zenóbia (ficção, 2004), O livro dos nomes (ficção, 2008) e O animal escrito (ensaio, 2008). Coordena o TransVerso – Fórum de Criação e Estudos Poéticos da UFMG. Participou de várias antologias poéticas nacionais e estrangeiras. Tem poemas, contos e ensaios publicados em revistas e jornais do Brasil, Argentina, Chile, México, Portugal, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Escócia e Dinamarca. 

 tr_s

MICHELINY VERUNSCK (PE)

Micheliny Verunschk, 36 anos, escritora, crítica literária é colunista da revista eletrônica de literatura Cronópios http://www.cronopios.com.br e colaboradora da revista Continuum, do Instituto Itaú Cultural. Publicou os livros Geografia Íntima do Deserto (Landy, 2003) e O Observador e o Nada (Edições Bagaço, 2003). Foi finalista do Prêmio Portugal Telecom de Literatura com o livro Geografia Íntima do Deserto, em 2004. Participou das antologias Na Virada do Século – Poesia de Invenção no Brasil; Invenção Recife; Pernambuco: Terra da Poesia; Antologia Comentada da Poesia Brasileira do Século XXI e e da Antologia de Poesia Brasileira do Início do Terceiro Milênio, publicada em Portugal em 2008. Tem poemas publicados na França, Portugal, Estados Unidos e Canadá.

paloma

PALOMA VIDAL

Paloma Vidal é escritora, tradutora e professora de Teoria Literária da Universidade Federal de São Paulo.Publicou o ensaio A história em seus restos: literatura e exílio no Cone Sul (Annablume, 2004) e os volumes de contos A duas mãos(7Letras, 2003) e Mais ao sul (Língua geral, 2008). Participou das antologias 25 mulheres que estão fazendo a nova literatura brasileira (Record, 2004), Paralelos: 17 contos da nova literatura brasileira (Agir, 2004) e A visita (Barracuda, 2005). Edita a revista Grumo (www.salagrumo.org).

sérgio

SÉRGIO MEDEIROS (SC)

Sérgio Medeiros publicou três livros de poesia, entre eles “Alongamento” (Ateliê, 2004). Organizou a antologia de mitos amazônicos “Makunaíma e Jurupari” (Perspectiva, 2002) e traduziu, com revisão técnica de Gordon Brotherston, o poema maia “Popol Vuh” (Iluminuras, 2007). Em breve, publicará seu quarto livro de poesia, “O sexo vegetal”. Co-edita o site de arte e cultura www.centopeia.net . Ensina literatura na UFSC. 

fotorodrigo

RODRIGO GARCIA LOPES (PR)

Rodrigo Garcia Lopes é escritor, ensaísta, jornalista, tradutor e compositor. Desde 2002 é um dos editores da revista de literatura e arte Coyote. É autor dos livros de poemas Solarium (Iluminuras, 1994), Visibilia (Setteletras, 1996; Travessa dos Editores, 2005), Polivox (Atrito Art, 2001), Poemas Selecionados (Atrito Art, 2001) e Nômada (Lamparina, 2004). É Mestre em Humanidades Interdisciplinares pela Arizona State University, com tese sobre os romances de William Burroughs e Doutor em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina, com tese sobre a poeta e filósofa modernista norte-americana Laura Riding. Em 1997, lançou Vozes & Visões: Panorama da Arte e Cultura Norte-Americanas Hoje, (Iluminuras), com 19 entrevistas com personalidades da cultura e literatura norte-americana.

É tradutor de Sylvia Plath, Rimbaud, Walt Whitman, Laura Riding e de O Navegante (do anglo-saxão), entre dezenas de outros autores. De 2006 a 2008 foi professor do departamento de Romance Languages da Universidade da Carolina do Norte-Chapel Hill. Em 2007, co-roteirizou Satori Uso, de Rodrigo Grota, filme inspirado em sua obra e no heterônimo japonês inventado pelo autor em 1985. O filme foi vencedor de três prêmios no Festival de Cinema de Gramado. Por dois anos consecutivos foi finalista do Prêmio Jabuti, o mais importante prêmio literário brasileiro: em 2005, na categoria Melhor Livro de Poemas, com Nômada e, em 2006, na categoria Melhor Tradução, com Folhas de Relva. Compositor, em 2001 lançou o CD Polivox (independente), e nos anos seguintes se apresentou com show homônimo em várias capitais brasileiras. Edita na internet o blog Estúdio Realidade.

rodrigoharo

RODRIGO DE HARO (SC)

Rodrigo de Haro (Paris, França 1939). Pintor, desenhista, gravador, escritor, poeta e contista. Divide suas atividades profissionais entre Florianópolis e São Paulo. Em 1958, realiza sua primeira exposição individual na Faculdade de Direito de Florianópolis. Em poesia, atua, desde 1960, como organizador do movimento surrealista e tem seus poemas publicados em livros no Brasil e em antologias na Espanha e Estados Unidos. Por volta de 1987, trabalha na decoração do Teatro Municipal de Florianópolis com 80 painéis Mandalas.

tatianafraga

TATIANA FRAGA (SP)

Tatiana Fraga é poeta e jornalista, formada pela formada pela Universidade Metodista de São Paulo. Estreou em 2002 com Pitangas (Edição do autor) e recentemente publicou Espelho (Edição do autor, 2007) que tem ilustrações da autora e de Carmen Lazari.

VANDERLEY

VANDERLEY MENDONÇA

Vanderley Mendonça, Editor, Tradutor. Formado em design e pré-impressão pelo RIT, Rochester Institut of Technology, EUA, e MeisterDruck (Mestre em Impressão) pela  Escola Superior de Artes Gráficas e Tipográficas de Leipzig.
É Editor do Selo Demônio Negro.

virnateixeira

VIRNA TEIXEIRA (CE/SP)

Poeta e tradutora, nasceu em Fortaleza e vive em São Paulo há vários anos, onde trabalha como neurologista. É autora dos livros de poesia Visita (2000) e Distância (2005) pela editora 7 Letras e Trânsitos (2009pela editora Lumme. Tem os seguintes livros de tradução publicados: Na Estação Central (UnB, 2006) do poeta escocês Edwin Morgan, a antologia Ovelha Negra (Lumme, 2007) de poesia escocesa, Livro Universal, do poeta chileno Héctor Hernández Montecinos em parceira com o tradutor Vanderley Mendonça (Demônio Negro, 2008) e Cartas de Ontem do britânico Richard Price (Lumme, 2009). Publicou também as plaquetes Como suturar Lembranças (Arqueria Editorial) e Bifurcação – traduções de Tristan Tzara (Espectro Editorial, 2006). Tem dois livros publicados no exterior: Fin de siècle (Chicas de bolsillo, Universidad de La Plata, 2007) e Distancia (Lunarena Editorial, Mexico, 2007) Organizou com o poeta Claudio Daniel o festival internacional de poesia Tordesilhas, em 2007 e foi curadora, com Antonio Vicente Pietroforte, do Simpoesia I em 2008. Atualmente faz um doutorado em Letras na USP e é responsável pela Arqueria Editorial, editora artesanal de plaquetes. Edita na internet o blog Papel de rascunho.