Convidados estrangeiros

 fressia

ALFREDO FRESSIA (Uruguai)

Poeta e crítico literario. Nasceu em Montevideo, em 1948. Vive em São Paulo desde 1976. É tradutor, jornalista cultural na imprensa do Uruguai e do México e professor de Literatura. OBRA POÉTICA: Un esqueleto azul y otra agonía. Ediciones de la Banda Oriental. Montevideo. 1973. Prêmio MEC, Uruguai. Clave final. Ediciones del Mirador. Montevideo. 1982. Noticias extranjeras. Ediciones del Mirador. Montevideo. 1984. Destino: Rua Aurora. Edição Autor. São Paulo. 1986. Cuarenta poemas. Ediciones UNO. Montevideo. 1989. Frontera móvil. Ediciones Aymara. Montevideo. 1997. Prêmio MEC, Uruguay. El futuro/ O futuro. Edições Tema (bilíngüe). Lisboa. 1998. Amores impares. (Collage sobre textos de 9 poetas). Ediciones Aymara. Montevideo. 1998. Veloz eternidad. Vintén Editor. Montevideo. 1999. Premio MEC, Uruguai. Eclipse. Civiles iletrados. Montevideo. 2003. Alforja/Conaculta, México, 2006. Senryu o El árbol de las sílabas. Montevideo. Linardi y Risso, 2008. Prêmio Bartolomé Hidalgo 2008. Participou de antologias no Uruguai, Espanha, México, França e Suécia e publicou algumas obras críticas. Recentemente, publicou “Animal transparente”, com traduções de poemas de Ferreira Gullar para o espanhol (La Cabra Ediciones, México, 2009).

 efrainfoto

EFRAÍN RODRÍGUEZ SANTANA (Cuba)

Nasceu em Palma Soriano, 1953. Poeta, ficcionista, ensaísta. Publicou os livros de poesia El hacha de miel (1980), Vindicación de los mancebos (1983), El zigzag y la flecha (1987), Prêmio David de Poesia, 1982; Conversación sombría (1991), Otro día va a comenzar (2000), Prêmio Internacional de Poesia Gastón Baquero; Arqueros (2000). Em 2001 recebeu o Prêmio Centenário de Rafael Alberti por un Pais de agua, e em 2002 o Prêmio Nacional da Crítica por esse mesmo livro de poesia. Também em 2002 publicou o romance La mujer sentada, que ganhou o Prêmio Nacional da Crítica em 2003. Publicou antologias dos poetas Gastón Baquero, Virgilio Piñeira e Ángel Escobar, alem de ensaios e artigos de crítica sobre estes e outros segmentos da la literatura cubana contemporánea. Realizou leituras, conferências e publicou textos em países de Europa e América Latina.

gustavo

GUSTAVO LÓPEZ (Argentina)

Bahía Blanca, Buenos Aires, 1959. Trabalha desde 1982 na Fundação Cultural Senda como vice-presidente e coordenador geral de gestões culturais. Funda e dirige em 1999 o Centro Cultural Espacio Vox na cidade de Bahía Blanca. Em 1995, funda e dirige a revista-objeto VOX e a coleção de livros de poesia edições Vox. Esta publicação obteve os seguintes prêmios: melhor publicação de arte da Associação Argentina de Críticos de Arte (1999) . Prêmio Julio Cortazar da Câmara Argentina do livro (2000). Seleccionada pelo Ministério de Relações Exteriores da França para representar a Argentina em 2000 en Paris. Em 1998, funda o selo editorial VOX (já que editou 65 livros de poesia). Em 2001, integra o comitê editorial da revista vox virtual, que chega de forma gratuita a 8500 inscritos por correio eletrônico. Realiza tarefas em gestão cultural nas áreas de arte contemporânea e literatura em distintas instituições: Centro Cultural de España de Buenos Aires , Córdoba y Rosario; Fundación Antorchas, Centro Cultural Dragão do Mar de Fortaleza Brasil; Secretaria de Cultura de la Municipalidad de Maldonado, Uruguai; Casa de la poesía de Buenos Aires, Centro De arte Contemporáneo de Pontevedra Espanha; Facultad de Diseño Ciudad Real , Espanha; e nas cidades francesas de Rennes, Brest, Loraine, e Paris.

julianfoto

JULIAN BROLASKI (EUA)

Julian T. Brolaski publicou as plaquetes Hellish Death Monsters (Spooky Press,  2001), Letters to Hank Williams (True West Press, 2003), The Daily Usonian (Atticus/Finch, 2004) e Madame Bovary’s Diary (Cy Press, 2005) (sob o pseudônimo Tanya Brolaski) e Buck in a Corridor (flynpyntar, 2008).  Brolaski recebeu um MFA do Mills College e vai começar um PhD em Inglês (UC Berkeley). Vive no Brooklyn, Nova Iorque, onde escreve uma dissertação sobre rima na poesia medieval, renascentista e apache.

serguilha

LUÍS SERGUILHA (Portugal) 

Luís Serguilha nasceu em Vila Nova de Famalicão, Portugal. Coordenador de uma Academia de Motricidade-Humana. Poeta e ensaísta, suas obras são: O périplo do cacho<(1998), O outro (1999), Lorosa´e Boca de Sândalo (2001), O externo tatuado da visão (2002), O murmúrio livre do pássaro (2003), Embarcações (2004), A singradura do capinador (2005), Hangares do Vendaval (2007), As processionárias (2008), Roberto Piva e Francisco dos Santos: na sacralidade do deserto, na autofagia idiomática-pictórica, no êxtase místico e na violenta condição humana (2008), estes últimos em edições brasileiras. Seu livro de prosa intitula-se Entre nós, de 2000, ano em que recebeu o Prémio de Literatura Poeta Júlio Brandão. Participou em vários encontros internacionais de literatura e possui textos publicados em diversas revistas de literatura no Brasil e em Portugal, além de outros trabalhos traduzidos em língua espanhola e catalão. Responsável por uma colecção de poesia contemporânea Brasileira na Editora Cosmorama.

hasler

RODOLFO HÄSLER (Cuba/Espanha)

Rodolfo Häsler nasceu em 1958 em Santiago de Cuba e vive em Barcelona desde os dez anos de idade. Quase toda a sua obra poética tem sido escrita e editada na Espanha. Publicou:  Poemas de arena (1982); Tratado de licantropía (1988); Elleife (prêmio Aula de Poesía de Barcelona, 1993); De la belleza del puro pensamiento (beca de la Oscar B. Cintas Foundation de Nueva York, 1997); Paisaje, tiempo azul (2001) e Cabeza de ébano (2007). Participou de diversas antologias na Espanha e América Latina e sua obra tem sido traduzida para o inglês, alemão, francês, italiano, português e turco. Traduziu a poesia completa de Novalis e os minirelatos de Kafka.

silviafoto

SILVIA IGLESIAS (Argentina)

Silvia Iglesias é poeta, professora, jornalista e organizadora de eventos culturais. Nasceu e vive em Puerto Madryn, Patagonia, Argentina. Criou e dirigiu o suplemento cultural “Tinta China” do diário El Chubut. Com seu primeiro livro de poemas, “Cuerpos Perfectos” ganhou o primeiro prêmio do Encontro Nacional de Escritores Patagônicos em 2005. As críticas publicadas na revista Ñ (do jornal Clarín), Piebella (especializada em poesia) e o Suplemento Radar (do jornal Página 12), junto a reconhecidos escritores, destacam o estilo e a voz pessoal do livro.

 stefan

STEFAN TOBLER (Inglaterra)

Stefan Tobler é tradutor do português e alemão para o inglês. Nasceu no Brasil, em Belém do Pará, de pais europeus e reside agora na Inglaterra, perto de Oxford. A tradução de um livro de Roger Willemsen, An Afghan Journey, ganhou um prêmio de ‘Writers in Translation’ da organização inglesa de PEN, e as traduções do poeta Antônio Moura receberam menção honrosa no concurso 2008 BCLA Dryden de tradução. Uma plaquete das traduções vai sair pela Arqueria Editorial este ano em São Paulo e um livro pela Arc na Grã-Bretanha. Acaba de traduzir Um copo de cólera de Raduan Nassar, e pretende lançar com uns parceiros no ano que vem uma editora para publicação de ficção além dos padrões do mercado britânico.

butterman

STEVEN BUTTERMAN (EUA)

Professor Associado de Português e Diretor do Programa de Língua Portuguesa, ensina Português e Literatura Brasileira no Departamento de Línguas Modernas e Literatura.  Em 2006, inaugurou o programa de Estudos Queer em Mulheres e Estudos de Gênero na Universidade de Miami. Obteve um Ph.D. na Universidade de Wisconsin-Madison em 2000.  Bolsista do National Endowment for the Humanities e ganhador dos prêmios Brazilian International Press Award, Provost’s Excellence in Teaching Award, e University of Miami Scholarly and Creative Activity Award (2004), Steven tem publicado artigos em uma ampla variedade de tópicos, incluindo Cultura e Literatura Afro-brasileiras dos séculos XIX e XX; Música e Poesia Brasileira Contemporâneas; Teoria Queer; Estudos Feministas; Pós-modernismo; e Estética. Membro do Comitê Executivo da BRASA (Brazilian Studies Association) e da Divisão Executiva Luso-Brasileira da MLA (Modern Language Association), Butterman é autor  de “Perversions on Parade: Brazilian Literature of Transgression and Postmodern Anti-Aesthetics in Glauco Mattoso,” publicado 2005 pela editora San Diego State University Press / Hyperbole Books.

tracy

TRACY GRINNELL (EUA)

E. Tracy Grinnell é autora de Some Clear Souvenir (O Books 2006) e Music or Forgetting (O Books 2001), bem como das edições limitadas das plaquetes Leukadia (Trafficker Press, 2009), Humoresque (Dusi/e-chap kollectiv, 2008), Hell and Lower Evil (Lyre Lyre Pants on Fire Press, 2008) Quadriga, uma colaboração com  Paul Foster Johnson (gong chapbooks, 2006), Of the Frame (Portable Press at Yo-Yo Labs, 2004), e Harmonics (Melodeon Poetry Systems, 2000). Foi uma das poetas convidadas da Biennale Internationale de Poètes en Val-de-Marne in France em 2003, a qual incluiu diversas leituras em bibliotecas públicas e visitas a salas de aula na periferia de Paris. Ela ensina escrita criativa na Brown University e Pratt Institute e escrita expositória no Hunter College e em outras universidades de Nova Iorque. Desde 2001, é editora da Litmus Press e da sua revista anual de poesia e tradução, Aufgabe. Seu trabalho foi traduzido para o francês e publicado na  Action Poétique, Estuaire, e Poésie entre outras. Seus poemas foram publicados nas revistas norte-americanas New Review of Literature, Five Fingers Review, No Journal, Chain, e 26.  Tem participado em diversas leituras e recitais, tais como no St Mark’s Poetry Project (NYC), no Bowery Poetry Club (NYC) e outros locais dos EUA e no exterior.

victor_sosa

VICTOR SOSA (Uruguai/México)

Nasceu em 1956 no Uruguay. É poeta, ensaísta, teórico de arte e de literatura, pintor e tradutor de língua portuguesa. Desde 1983 vive na Cidade do México e em 1998 adquiriu a nacionalidade mexicana. Entre suas publicações se destacam os livros Sunyata (1992, poesia); Gerundio (1996, poesia); La flecha y el bumerang (1997, ensaoos); El Oriente en la poética de Octavio Paz (2000, ensaio); Decir es Abisinia (2001, poesia); El impulso, inflexiones sobre la creación (2001, ensaio); Derivas del arte contemporáneo en México (2003, crítica de arte); Los animales furiosos (2003, poesia); Mansión Mabuse (2004, poesia); La saga del Sordo (2006, poesia); a antologia Sunyata & outros poemas (2006, publicada no Brasil, edição bilíngue); foi incluído na antología Jardim de camaleoes, a poesía neobarroca na América Latina (2004), editada pelo poeta brasileiro Claudio Daniel. Recebeu o Premio Nacional Luis Cardoza y Aragón para Crítica de Arte (1998), e o Premio Nacional de Poesía Pancho Nácar (2000) assim com menção honrosa do Ministério de Cultura do Uruguai e da Intendencia de Montevideo pelo seu livro Los animales furiosos. É professor de literatura e arte na Universidade Iberoamericana e dirige um Diplomado de Apreciación y Creación Poética na Casa Refugio Citlaltépetl. 

bill

WILLIAM ALLEGREZZA (EUA) 

William Allegrezza tem seis livros de poesia publicados: Fragile Replacements,Ladders in July, In the Weaver’s Valley, Collective Instant, The City Visible: Chicago Poetry for the New Century, e Covering Over.  Também publicou seis plaquetes, incluindo Filament SenseSonoluminescence (escrita com Simone Muench), Temporal Nomads, e Ishmael Among the Bushes.  Obteve um Ph.D. em Literatura Comparada da Louisiana State University e edita o e-zine Moria, que publica poesia experimental e artigos sobre poesia. Também é editor da Cracked Slab Books e curador de uma série de leituras, Series A, em Chicago. Sua poesia, artigos, resenhas e traducões tiem sido publicadas em vários países, incluindo Austrália, Itália, México, Estados Unidos, República Tcheca e Holanda.